Conquistar espaço no mercado de trabalho nunca foi fácil para as mulheres. Afinal, por muito tempo ficaram restritas aos papéis de donas de casa e subjugadas aos homens. Por exemplo, no Brasil até 1962 as mulheres casadas só podiam trabalhar fora se o marido permitisse. Mesmo com as mudanças na lei e na sociedade como um todo ainda existem diversos desafios atuais para se enfrentar. Por isso, o tema de hoje é sobre o empreendedorismo feminino e quais as dificuldades mais comuns nesse meio.

Duas mulheres rindo juntas. Uma está olhando para um papel, a outra está olhando para outra pessoa e falando.
Você perceberá que todas as dificuldades listadas abaixo estão relacionadas de alguma forma. (Reprodução/Pexels)

O que é empreendedorismo feminino?

O empreendedorismo feminino se refere aos negócios idealizados e comandados por mulher(es). O que vai desde vender produtos ou serviços por conta própria, montar uma loja, criar uma startup. Não se relaciona ao tamanho do empreendimento, ou seja, se você vende doces em casa ou abriu uma empresa grande, ambos são encaixados dentro do empreendedorismo.

A partir disso, as mulheres conseguem sua independência financeira, seu empoderamento, visibilidade, evolução de sua carreira, etc. Dessa maneira, conquistam seus sonhos e incentivam outras mulheres a fazer o mesmo.

Empresária de braços cruzados olhando para frente. Ela usa camisa cinza e blazer rosa claro.
Antes de mais nada, é essencial dizer que ser dona de casa não é algo menor, porque na verdade, é algo muito difícil também, é um trabalho por si só. Entretanto, o ponto aqui é que se outras mulheres não quiserem fazer isso, devem ter as mesmas oportunidades que um homem tem para tal. (Reprodução/Pexels)

Quais são os desafios enfrentados?

Preconceito

O problema se inicia desde a infância quando os brinquedos dados aos meninos estimulam criatividade e os dados as meninas se resumem a vida doméstica. Claro, que isso está mudando, mas vamos ver o resultado com o tempo, não é imediato. Então, quando crescem e entram no mercado de trabalho, muitas vezes não são ouvidas, levadas à sério. Além dos casos de assédios que acontecem.

Desse modo, precisam se esforçar o dobro para mostrar seu valor (e quando são outros tipos de minorias, podem sofrer mais preconceito, como racismo, capacitismo, etc., precisando se esforçar mais ainda). Todas essas questões são sentidas quando decidem empreender, visto que ao abrir um negócio é preciso fazer contato com vários tipos de pessoas diferentes, como fornecedores, clientes, funcionários, entre outros, e ser subestimada pode dificultar esse processo.

Experiência

Existem alguns dados interessantes levantados pelo IBGE sobre as mulheres no mercado de trabalho. Para começar, as mulheres dedicam mais tempo nos estudos quando comparado aos homens, porém recebem menos. Bem como, estão em menos cargos de liderança. Quanto mais alta a hierarquia, menos mulheres se encontram. Olhando no todo, a média é que 42,4% das funções de gerência são ocupadas por trabalhadoras e apenas 13,9% estão na parte da diretoria.

O que mostra que a inequidade persiste. Isso afeta as mulheres em saber qual próximo passo tomar, pois, no dia-a-dia observam muitas que mereciam estar sendo promovidas e não são, mesmo se esforçando. Ademais, como acabam por não chegar nesses cargos, não ganham experiências neles, não têm a oportunidade de praticar gestão da equipe e da empresa.

Chefe explicando a funcionária algo na tela do computador.
Relacionando com o assunto discutido aqui, o problema é que por não terem a experiência da gestão, podem ter maiores dificuldades quando montarem a própria empresa. (Reprodução/Pexels)

Tripla jornada de trabalho

Ainda esperam que a mulher seja a responsável por tomar conta da casa e dos filhos, enquanto o homem apenas “ajuda” nessas tarefas.  Mais do que isso, grande parte dos lares brasileiros são formados por mães solos. As duas situações levam a tripla jornada de trabalho. O que significa trabalhar no emprego o dia todo e ao chegar em casa ter que cuidar das tarefas domésticas (lavar, cozinhar, arrumar a casa) e também dos filhos.

Falta de apoio

Segundo a Forbes, um dos maiores desafios que as mulheres encaram no trabalho é a falta de um sistema de apoio. Imagina o quanto isso não afeta quando decidem empreender. Isso vai desde a parte “interna”, que seria o apoio da família, dos amigos, do namorado/marido, como também, a “externa”, que seria outras empresas que precisa fazer negociações, por exemplo. O que estão fazendo para contornar essa última situação é encontrar outras empresárias para negociar.

Mulher cansada, está sentada com a mão no rosto.
Uma rede de apoio é importante, lembre-se de se cercar de pessoas que acreditem no seu potencial e que te ajudem! (Reprodução/Pexels)

Dificuldade de acesso ao crédito

Continuando a lógica de falto de apoio, contudo em outro âmbito. Mulheres têm mais dificuldade em conseguir crédito bancário (empréstimo) do que homens e quando conseguem pagam 3,5% maiores taxas anuais de juros, conforme o site “Pequenas Empresas, Grandes Negócios“.

O que fazer sobre tudo isso?

Em síntese, a caminhada não é fácil e as soluções não serão rápidas. Porém, é necessário continuar quebrando os estereótipos e lutando pelos espaços, ocupar eles. Assim, uma forma é procurar por outras mulheres que também estão em lideranças para poderem se apoiar, há muitas eventos e feiras que podem facilitar esse processo. Além de se capacitar e aprender cada vez mais sobre a vida administrativa. Em relação a vida pessoal, exigir uma divisão justa das tarefas domésticas e se cercar de pessoas que dão o apoio necessário.

Por último, quero deixar a recomendação de indicações de filmes sobre empreendedorismo aqui no blog (clique aqui para ler). Visto que, quase todos eles são protagonizados por mulheres empreendedoras fortes (tem até mesmo histórias reais). Assim, você ficará mais inspirada para continuar nessa jornada.

Agenda, notebook, xícara e celular em cima da cama que tem o cobertor e o travesseiro com laranja ferrugem.
Mesmo com tudo isso, o empreendedorismo feminino cresce cada vez mais. (Reprodução/Pexels)

Fico por aqui. Não se esqueça de deixar um comentário me contando suas dificuldades no mundo dos negócios e o que faz para enfrentar elas!

Deixe uma resposta