Antes de tudo, para uma empresa funcionar e lucrar, ela precisa se conhecer. Saber para o que veio, qual público quer atender, o que quer vender e como. Para então, montar um bom planejamento e saber dividir as tarefas entre os funcionários. Por isso, seja você uma empreendedora de curta ou longa data, acompanhe esta matéria para conhecer o modelo de negócios Canvas.

Mesa com notebook aberto, bandeja com café da manhã e óculos de sol.
Se está ainda organizando um negócio em casa ou já tem sua própria empresa e pensa que ela precisa de um redirecionamento, este post vai te ajudar. (Reprodução/Pexels)

O que é o Business Model Canvas?

O Canvas é uma ferramenta que te ajuda a visualizar as estratégias do seu negócio em um único lugar. Assim, ele é dividido em 9 blocos, os quais vão desde a razão da empresa existir ao lado financeiro. Para preencher, você pode ir editando a imagem pela internet ou imprimir e colar post-its nela. Independente da que preferir, ambas tem a vantagem de que você pode mudar e acrescentar mais elementos de acordo com o tempo.

Isso mostra que esse modelo de negócios é bem flexível, bem como, prático e simples. Observe abaixo, como o Canvas é estruturado. O lado esquerdo, se refere ao funcionamento da empresa. Enquanto, o direito, aos clientes.

Representação de um modelo de negócios canvas.
Use essa imagem para fazer o seu próprio Canvas. (Reprodução/Go2web)

Suas divisões

Em síntese, ao montar seu Canvas, você consegue estruturar suas ideias de modo mais coerente e fica mais fácil visualizar o que fazer em seguida. Confira agora, o que cada uma das 9 divisões significa.

1- Proposta de valor

Quando se vende um produto ou serviço, não se vende apenas isso. Existe todo um significado que vai junto para o cliente, o que chamamos de valor. Por exemplo, a Coca-Cola é uma marca de refrigerantes conhecida e em suas propaganda ela não fala sobre o preço ou como é o sabor da bebida. Mas sim, a sensação de ter uma Coca-Cola, pois o que ela vende é a experiência, a “felicidade”. Afinal, existem diversas marcas de refrigerantes, portanto ela precisa ter o seu diferencial, o que faz com que os clientes comprem dela e não do concorrentes, independente do preço.

Para definir a sua proposta de valor, é necessário que pense em qual dor do cliente você consegue resolver. A palavra dor aqui não se refere necessariamente a dor física, mas sim, aos problemas e inquietações que você consegue resolver ou amenizar para o seu cliente. Então pense: qual problema estou resolvendo? Pois, a resposta dessa pergunta é a razão da existência de seu negócio.

2- Segmento de clientes

As pessoas são diferentes e tem necessidades distintas. O que significa que nem todo mundo vai querer seu produto ou precisar dele. Desse modo, é essencial definir seu público-alvo (persona) desde o início. Isso é algo positivo, pois te possibilita criar conteúdos e propagandas mais específicas. Assim, defina as características dessa persona, como idade, gênero, condições financeiras, gostos, etc.

3- Canais

Onde seu cliente pode adquirir seu produto: é através de uma loja on-line ou física? Além disso, por onde conhece seus produtos, é pelas redes sociais, propagandas, outdoors? E como você vai entregar seu produto ou serviço, é pessoalmente ou precisa de transporte?

Mexendo em um site de compras no celular com o cartão de crédito em mãos.
Lembrando que não basta planejar, mas tem que colocar em prática. (Reprodução/Pexels)

4- Relacionamento com clientes

Como seus segmentos de clientes podem se comunicar contigo? Porque vão ter dúvidas e precisam de mais informações. Ademais, a partir da construção desse relacionamento, você fideliza o cliente.

Assim, os locais de atendimento podem ser por e-mail, assistente virtual, respostas automáticas, comentários e mensagens nas redes sociais, eventos, pessoalmente, entre outros.

5- Atividade-chave

Chegou o momento de definir o que sua empresa precisa fazer para entregar sua proposta de valor. Por exemplo, se você tem um site para vender roupas algumas das suas atividades principais são: desenvolvimento e melhora constante do site, produção e entrega das roupas, divulgação das novas peças nas redes sociais.

6- Recursos principais

Anote tudo o que você precisa para que seu negócio funcione e você possa realizar suas atividades. Alguns exemplos: escritório, computador, máquinas, calculadora, mas também, os fornecedores e os funcionários.

Fita métrica, rolo de linha, agulhas e tesoura.
Exemplificando, uma costureira iria precisar desses utensílios mostrados na imagem (tesoura, linha, fita métrica…). (Reprodução/Pexels)

7- Parcerias principais

Para seu negócio funcionar e expandir, é preciso de parceiros. Sejam outras empresas ou pessoas, vocês fazem alianças que beneficiem ambas as partes. Seja um divulgando o outro, criando produtos juntos, fornecendo algo, trocando descontos para os clientes, etc.

8- Fontes de receita

Como seu cliente irá te pagar? Mais do que isso, a partir do que você irá receber dinheiro? Pode ser apenas pela venda do seu produto em si, mas também há variações. Por exemplo, um youtuber ganha pelo número de visualizações em seus vídeos, pelas parcerias que faz e às vezes por fãs que assinam conteúdos exclusivos e pagam por isso.

Carteira com dinheiro em dólares.
Com essa visão ampla proporcionada pelo Canvas, fica mais fácil definir os objetivos e metas da organização. (Reprodução/Pexels)

9- Estrutura de custos

Por último, é necessário definir todos os gastos que sua organização terá. Dessa forma, pode se planejar melhor e não arranjar dividas. Inclua desde o pagamento dos funcionários, do aluguel do local, dos impostos, dos utensílios usados o dia-a-dia, da produção a distribuição do seu produto.

Com o tempo, definir cada uma dessas partes se torna mais e mais fácil. Ficou alguma dúvida ou tem algo a dizer? Me conta nos comentários!

Deixe uma resposta