Ao escolher seu par de alianças, necessitará decidir se o quer com pedra(s) ou não. Afinal, é notável a diferença que as pedras causam na joias. Sejam sintéticas ou naturais, elas trazem brilho e destaque. Porém, para escolher qual gema você quer com certeza, é preciso saber que existem vários tipos de cravação, o que traz diferentes resultados. Conheça abaixo os tipos mais usados.

Bandeja espelhada com anel solitário, brincos e um galho.
Lembrando que se escolher uma aliança com pedras, fica mais trabalhoso ajustar o tamanho tamanho, então aprenda a medir seu dedo antes de comprar. (Reprodução/Unsplash)

A cravação é o modo de fixar a pedra preciosa na estrutura do metal, o que depende da lapidação (formato da pedra) e de como a peça será feita. Essa técnica é utilizada em joias e semijoias, pois nas bijuterias apenas colam as pedras, sendo mais fácil elas soltarem.

Existem diferentes maneiras de cravar uma pedra, trazendo diversos resultados únicos e realçando a beleza da aliança. Por isso, confira abaixo as mais lindas cravações.

Tipos de cravação nas alianças

Cravação Flutuante

Para começar, uma cravação linda e diferente. Conhecida como flutuante ou por tensão, ela faz parecer que a pedra está “solta” e “flutuando no ar”. Para conseguir esse efeito, é preciso pressões em direções opostas para segurá-la, bem como um processo de forja a frio, para endurecer o metal, fazendo-o segurar a pedra mais forte.

Ademais, como a pedra está exposta na parte da frente e de traz, a luz consegue passar através dela, trazendo um brilho incrível.

Par de alianças, dentro da caixinha, em que uma tem a cravação flutuante
Aqui na Altar temos este modelo flutuante da foto, para adquiri-lo nos contate, seja pelos comentários, WhatsApp ou Instagram.

Cravação Bigodinho

Em seguida, uma cravação delicada, chamada bigodinho. Para realizá-la, começa fazendo um furo do tamanho da pedra. Então, encaixa o diamante no espaço formado, e com o buril corta quatro “bigodinhos” na chapa (de metal), de modo que possa levantá-los e colocar eles por cima da gema (para fixá-la melhor).

A pedra, seja na cravação bigodinho ou em qualquer outra apresentada aqui, pode ser tanto um diamante real, quanto um sintético. Na Altar, em busca de oferecer preços acessíveis, utilizamos a pedra de zircônia, ela é sintética, mas bastante parecida com o diamante. Contudo, se preferir um diamante em sua aliança, é só pedir que fazemos o orçamento.

Par de alianças de ouro amarelo. Anel com 3 pedras e risco no meio.
Modelo disponível na Altar Alianças, entre em contato para adquirir o seu! (Reprodução/Pexels)

Cravação com garras

Provavelmente, ao assistir filmes americanos você reparou que os pedidos de casamento são sempre feitos com um anel solitário, isto é, um anel fino com uma pedra central. Esta tradição se tornou forte nos Estados Unidos, principalmente, por causa da joalheria Tiffany, que apresentou em 1886 sua cravação feita de 6 garras que suportam o diamante e o faz parecer flutuar. O objetivo era que a pedra se destaca-se mais.

Portanto, cada garra é cuidadosamente angulada para segurar firme o diamante (ou a outra pedra em questão). Podendo ter de três até seis garras. Outro ponto, é que assim como a cravação flutuante, essa cravação permite que a luz atravesse a pedra, refletindo mais brilho.

Anel solitário de metal torcido e pedra central.
O anel de noivado (o solitário) continua acompanhando mesmo após o casamento. É costume em outros países usar o anel solitário e a aliança de casamento ao mesmo tempo, se tornando um combo lindo.

Cravação Granito

Continuando, existe a cravação granito. Ela utiliza o próprio metal da peça para formar as garras, as quais são redondas e aparentes, formando estas pequenas bolinhas cinzas que você pode observar na imagem abaixo. A pedra fica bem segura.

Ademais, modelos diferentes podem ser feitos com esse tipo de cravação, seja a borda inteira rodeada de pedras, ou apenas uma no centro.

Duas imagens de par de aliança de ouro
Apesar dos exemplos serem com pedras redondas, também é possível fazer a cravação granito com pedra quadrada (conhecida como Princess).

Cravação Trilho

Depois, temos a cravação trilho, também chamada de “carrê” ou “carril”. Se faz um canal no anel, no qual é possível encaixar as pedras. Ao invés de cada pedra ser segurada por garras, nesse caso as pedras são encaixadas e alinhadas nos trilhos, sendo seguradas pela borda superior e lateral.

Além disso, é possível fazer essa cravação com pedras redondas, quadradas ou retangulares. Em que o tamanho de cada pedra é muito importante para conseguir caber e ficar harmoniozo.

Cravação Pavê

Por último, a cravação pavê, que você possivelmente já viu em brincos, colares e anéis. Seu nome vêm do francês, “pavé”, em referência a época que eles pavimentavam as ruas com paralelepípedos.

Em resumo, as gemas (de mesmo tamanho) são colocadas bem juntas com o mínimo de metal aparente, sendo seguradas por pequenas bolinhas.  Elas cobrem grande parte da peça de forma contínua. Desse modo, o anel fica com aparência de que foi “pavimentado” com diamantes.

Aliança única dourada com cravação de pedras no estilo pavê.
Se ao ler que ela tem estas “bolinhas” (pequenas garras) a segurando, você lembrou da granito, elas realmente tem o mesmo estilo de cravar. Inclusive, a granito é considerada uma variação da pavê.

Aprender detalhes sobre as alianças te auxilia a fazer uma compra mais certeira do seu par. Por isso, continue ligada no blog e me conte se ficou alguma dúvida. Por fim, vale lembrar que a Altar tem um catálogo maravilhoso a sua disposição e aceita pedidos de personalização.

Deixe uma resposta